14 de junho de 2013

Por que os clássicos da Administração não são mais estudados?


Essa é uma questão que vem ganhando força à medida em que indago alunos de Administração em palestras que realizo por todo o Brasil.

Lamentavelmente pouco se conhece das obras escritas pelos fundadores da Ciência da Administração, de Taylor a Drucker, de Ford a Mintzberg, de Guerreiro Ramos a McGregor, e por aí vai; isso sem falar em inexcedíveis obras de outras disciplinas, como Economia e Sociologia que também têm, por exemplo, em Adam Smith e Max Weber respectivamente, ensinamentos que contribuem para configurar o pensamento administrativo.

Procurando entender as causas desse problema, descubro que o volume de visitas às bibliotecas é ridiculamente pequeno para leitura.“Esses ambientes são mais utilizados para trabalhos em grupo ou leitura de textos”, me garante a bibliotecária de uma faculdade. Um professor, atento observador do movimento no campus, tem a sua tese: “Os alunos chegam corridos do trabalho depois de enfrentar horas no trânsito, entram em salas de aula esbaforidos e depois correm para casa para começar tudo novamente no dia seguinte. Não têm tempo para leituras além dos textos compilados nos quais as provas vão se basear”.

O mais estarrecedor talvez seja um depoimento de que a maior parte das faculdades de Administração procura manter no acervo de suas bibliotecas livros de autores que publicaram nos últimos cinco anos. “Fica mais atraente no momento da visita do MEC à instituição de ensino”, atesta um coordenador de curso que também atua como avaliador do Inep/Mec.

É triste saber que muitos dos futuros administradores terão lido não mais do que duas ou três páginas dos tratados escritos por Maslow, Herzberg, Chester Barnard, Blanchard, Alfred Sloan, Robert Blake, dentre outros inúmeros mestres da Administração.

Assim ficam esses profissionais limitados pela visão estreita e fragmentada que lhes é apresentada por diversos livros de Introdução à Administração e de TGA que, portanto, lhes roubam a oportunidade da imersão reflexiva e da elaboração de novas perspectivas a partir dos experimentos e construções apresentados por autores clássicos.

É verdade também que ao lermos os clássicos e os bestsellers vamos encontrar nestes últimos muitas ideias que nos remetem aos estudos desses preconizadores da Ciência da Administração, embora nem sempre referenciados pelos novos autores.

Para contribuir com a eliminação ou redução desse abismo intelectual o CRA-RJ disponibiliza em seu site, gratuitamente, diversos desse livros de autores clássicos da Administração que apesar de escritos há algumas décadas, ainda são muito atuais e úteis aos estudantes e profissionais de administração. Em verdade, textos assim é que dão conteúdo e cientificidade à Administração.


* Artigo do presidente do Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro, Adm. Wagner Siqueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário