4 de fevereiro de 2015

Administradores falam sobre logística, motivação e liderança em entrevista

Os Administradores Leonardo Oliveira e José Barreiros concederam entrevista ao Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro e falaram a respeito de como a logística pode ser um diferencial de mercado para empresas com o intuito de oferecer um serviço melhor de entrega de produtos para os consumidores.

Eles comentaram ainda, sobre o atendimento ao cliente e como as empresas podem motivar seus funcionários e o que é preciso para ser um líder.
A seguir, você encontra algumas das opiniões dos Administradores:
Administradores Leonardo Oliveira e José BarreirosQual é o diferencial que a logística proporciona para as empresas e organizações como um todo?
Adm. Leonardo Oliveira: Atender a necessidade do consumidor de receber o seu produto. A logística tem que entender que é um processo do fim de tudo que o marketing gerou. O marketing gera a demanda, mas quem efetiva a necessidade é a logística quando atende a necessidade de entrega de um produto.

Como é a vantagem competitiva dessa integração?

Adm. Leonardo Oliveira: O primeiro ponto a ser entendido é que o diferencial não está só na criação de uma grande marca e de um produto de qualidade, e sim, da prestação de serviço ser atendida conforme combinada com o consumidor. É nesse momento que a logística entra para se tornar um diferencial competitivo.
Como fica o processo de entrega, caso haja atraso, tanto para empresa quanto para o cliente?
Adm. Leonardo Oliveira: No momento em que atraso um dia, eu gero uma insatisfação muito grande, mas no momento em que eu entrego antes do prazo estabelecido, eu estou surpreendendo a indústria e o consumidor final, onde meu processo logístico faz com que eu me torne um diferencial, para que eu possa atender a necessidade da indústria.
Você acha que falta essa percepção nas organizações? Que esse investimento gera eficácia?
Adm. Leonardo Oliveira: É porque todo mundo que pensa em custo, pensa em redução e aí as pessoas não entendem que custo está atrelado à eficácia e ela, em alguns momentos, em investimento maior. Mas num primeiro momento, esse investimento se torna uma redução de custo num futuro próximo ou às vezes de médio ou em longo prazo.
A cadeia inteira ganha rentabilidade nesse sentido, agora quando a falamos de questão de logística e voltada à rentabilidade, temos pesquisado que se reduzo 1% do meu custo logístico, eu tenho uma rentabilidade de 2% maior na minha lucratividade, porém, não quer dizer que eu tenho que diminuir o meu processo, ou seja, eu tenho que ter mais eficácia no meu processo logístico e em muitos momentos de eficácia quer dizer investimento, sendo uma oferta de serviço de qualidade maior.
Você acha que as empresas brasileiras apresentam muitas falhas no atendimento ao cliente?
Adm. José Barreiros: Muitas. Elas não têm a percepção de que o atendimento pode ser um grande diferencial, muitas vezes quando você vai a uma empresa, por exemplo, o varejo, os produtos são iguais, o preço é semelhante e as condições em qualquer loja também, mas muitas vezes, o referencial passa a ser o atendimento. Tanto é que, na prática, quando você vai a uma loja de varejo e você é bem atendido, provavelmente, você vai voltar e mais, você vai procurar aquele vendedor que atendeu você. Então, isso é um referencial de grande importância.

Esse atendimento de qualidade também depende muito de como o funcionário está dentro da empresa. Você acha que as empresas não motivam seus funcionários?
Adm. José Barreiros: Depende de diversos fatores. Hoje, um funcionário possui dois aspectos, o técnico e o comportamental, para qualquer funcionário que desempenhe bem a sua função, há algumas condições previamente estabelecidas. Ele precisa ter aptidão para aquilo que se propôs a fazer, que ele seja capacitado. Quanto maior for sua aptidão, maior a facilidade de adquirir a técnica. Mas, não é o suficiente se ele não estiver motivado se a empresa não oferece condições para tal. O relacionamento dele com a empresa ou com o chefe não é satisfatório. Então, hoje, um dos grandes problemas das empresas é a motivação e agregado a isso tem outro fator fundamental. Qualquer outro jovem, quando chegar a um ponto de sua vida profissional, vai conhecer muitos chefes e poucos líderes. Essa é outra lacuna que existe hoje.
O que torna um líder?
Adm. José Barreiros: Acima de tudo é uma questão cultural e comportamental. Como chefe, você se impõe, tem o poder. Como líder não, você aceita. Isso em vários aspectos que precisa passar só conhecimentos técnicos, mas tem que passar a ser um exemplo comportamental também. As empresas também cometem erros. Por exemplo, o gerente de vendas e o vendedor possuem perfis diferentes. O vendedor tem que ser bom na sua atividade, mas o gerente de vendas, além de sua atividade profissional como vendedor, ele tem que ser alguém com capacidade dirigir pessoas e isso talvez seja a parte mais complicada, de você ter que dirigir pessoas.
Vocês gostariam de acrescentar mais alguma informação para os leitores?
Adm. Leonardo Oliveira: Hoje, o administrador tem que entender que o principal ponto é sua formação e depois disso, que ele será responsável pela decisão. Ele entende e estuda o problema para que em algum momento, ele tome a decisão. Então, entendam que hoje os estudantes de Administração são formados para que, num futuro bem próximo, possam escolher a melhor decisão dentro da organização.
Adm. José Barreiros: Dentro de minha experiência de convivência da faculdade, peço que os jovens não cheguem à faculdade apenas em busca de diploma. Diploma é importante porque oportuniza a competição, mas ao entrarem no mercado serão suas competências que lhe permitirão sobreviver nele. É necessário ler, discutir e trocar ideias por que o mundo globalizado anseia em estar integrado. A internet é uma ferramenta muito boa, mas é pessimamente utilizada, não consegue um proveito de 5% de tudo aquilo que ela pode oferecer. Hoje cultura é um diferencial competitivo em termos de mercado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário